As crianças hoje em dia querem estar no ambiente cristão? A igreja proporciona um suporte para que cresçam na fé? O processo de iniciação cristã se dá primeiramente pelo Batismo, que é onde o indivíduo se liberta do pecado e se regenera para uma nova vida como Filho de Deus. A partir disso, a Igreja, em conjunto com a família e padrinhos, são responsáveis por transmitir justamente a fé às crianças.

O Papa Francisco afirmou no dia 7 de janeiro de 2018, na festa do Batismo do Senhor, que os pais possuem um papel muito importante na educação religiosa dos filhos. “A transmissão da fé somente pode ser feita em dialeto, no dialeto da família, no dialeto de papai e mamãe, do avô e da avó. Depois virão os catequistas para desenvolver essa primeira transmissão, com ideias, com explicações, mas não se esqueçam disso: se faz em dialeto, e se falta o dialeto, se em casa não se fala entre os pais aquela linguagem do amor, a transmissão não é fácil, não poderá ser feita.”

Na catequese se iniciam os estudos da Palavra de Deus. Utilizando metodologias e linguagens que estejam de acordo com o nível de desenvolvimento de cada pequeno, esta formação busca trazer a reflexão sobre os ensinamentos de Jesus e os sentidos de mundo, Deus, igreja e sociedade. Para Vânia Maraccini, coordenadora de catequese da Paróquia Nossa Senhora do Carmo de Presidente Prudente, esta é a fase mais importante de evangelização, mas que depende do comprometimento dos pais. “Muitos acreditam que somente levando seus filhos aos encontros catequéticos para depois receberem o Sacramento da Eucaristia e do Crisma é a certeza de que seus filhos já estariam na caminhada cristã. Engano deles, pois sem a presença deles na Evangelização de seus filhos, a catequese passa a ser mais um ato social do que religioso.”

A missa também é de suma importância para as crianças, pois é nela que aprendem o sentido de Jesus no altar, e desenvolvem uma intimidade via orações, por mais simples que sejam. Alguns olhares de repreensão e recriminação geralmente são notados nas celebrações, em relação ao comportamento das crianças. Porém, na Bíblia Jesus fala: “Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino dos céus pertence aos que são semelhantes a elas” (Mt 19:14).

Dentre outras ações desempenhadas pela Igreja Católica para a evangelização das crianças, está Infância e Adolescência Missionária, que tem o objetivo de produzir nelas um espirito missionário universal. Também procura desenvolver o protagonismo na solidariedade e na evangelização, onde as crianças acabam agindo em favor de outras crianças e ao Povo de Deus. De acordo com Vanda Christ Moreira, coordenadora da Infância Missionária da Paróquia Nossa Senhora de Carmo de Presidente Prudente, as ações são sempre com brincadeiras e atividades lúdicas, de uma maneira que eles tenham vontade de participar. “Tenho dois exemplos em casa, minha filha de 14 anos começou na Infância com 6 anos, hoje ela evangeliza os mais novos. O meu filho de 11 começou com 4 anos e não vê a hora de começar também. Tudo que você começa a ensinar, principalmente aos pequenos, é uma sementinha plantada e vai crescendo aos pouquinhos.”

Aline Rodrigues, psicóloga e missionária da Canção Nova, em seu artigo “Saiba a importância das crianças estarem na Igreja”, diz que quando elas estão inseridas em um ambiente cristão tendem a desenvolver um comportamento mais humanizado. “Os pequenos não criticam o ser humano e são capazes de amar mesmo quando são decepcionadas, o que faz toda diferença para a vida adulta.” O artigo dela pode ser lido na íntegra aqui.

COMPARTILHAR